Sinais de Alerta (pré-teste de diagnóstico)

 

Pais/Familiares

Criança

Quando deverá ficar preocupado com o desenvolvimento da fala ou linguagem do seu filho?

 

 

 

Infância

 

- Aos 2 anos não fala ou começou a dizer as primeiras palavras mais tarde do que o habitual;

- A criança não produz ainda frases com duas palavras (ex. quero bolo) aos 2 anos;

- Apresenta menos de 50 palavras aos 2 anos;

- Não compreende ordens/indicações simples ou o que lhe é dito;

- Não produz frases curtas ou não responde a perguntas simples;

- Aos 3 anos ainda não produz frases ou possui um vocabulário reduzido;

- As palavras não são muito claras ou a fala da criança não facilmente percebida pelos ouvintes;

- Omite alguns sons ou letras;

- Mostra-se relutante em imitar sons ou palavras;

- Mostra-se desinteressada em comunicar com as pessoas;

- Não faz perguntas;

- Mostra-se frustrada ao tentar comunicar;

- Apresenta esforço para e/ou ao falar;

- Tem mais de 4 anos e gagueja;

- Fala pelo nariz;

- Apresenta uma linguagem ainda imatura ou abebezada para além do tempo regular;

- Usa maioritariamente palavras concretas como objectos, utilizando menos verbos ou adjectivos;

- Utiliza frequentemente palavras genéricas ou vazias (ex. Isto põe ali assim; Este coiso, …);

- Existe a necessidade de adaptar o discurso ou falar de um modo especial ou de recorrer a objectos ou gestos para a criança o perceber;

- Apresenta dificuldades em memorizar ou acompanhar canções infantis;

- Repete palavras ou enunciados sem prosódia imediatamente após a palavra ouvida do interlocutor ou algum tempo depois.

 

Idade Escolar

- Troca um ou alguns sons/letras por outro ou outros ao falar, ler ou escrever;

- Apresenta dificuldades ao ler e escrever;

- Grita muito e fica rouca com frequência;

- Persiste em usar maioritariamente palavras concretas como objectos, utilizando menos verbos ou adjectivos;

- Permanece a utilizar frequentemente palavras genéricas ou vazias (ex. Isto põe ali assim; Este coiso, …);

- Continua a usar frases incompletas ou faz frases com erros gramaticais;

- Tem dificuldade em compreender e executar;

- Apresenta dificuldades em comunicar com os amigos;

- Alguma vez gaguejou por um período superior a 4-6 meses.

 

Se algum dos pontos anteriores for aplicável à sua criança ou seu filho não hesite em contactar um terapeuta da fala. A detecção precoce é crucial!


Adultos

Quando deverá procurar um Terapeuta da Fala?

- Tem dificuldade em falar ou em compreender o que lhe dizem;

- As outras pessoas mostram dificuldade em percebê-lo por vezes;

- Fica frustrado ou embaraçado com o seu discurso;

- Repete palavras, fica bloqueado ou acha que talvez gagueje;

- Apresenta algum tipo de sotaque que interfere com a sua habilidade para comunicar eficazmente;

- Evita falar em determinadas situações por causa da sua fala/discurso;

- Tem dificuldades em pronunciar alguns sons;

- Sente a garganta seca/áspera;

- Tem a tendência para perder a sua voz, especialmente ao final do dia ou fica rouco regularmente;

- Apresenta dificuldades em mastigar ou deglutir alimentos;

- Baba-se ou engasga-se com alimentos sólidos e líquidos;

- Não se lembra do nome das coisas ou das pessoas.

 

Se algum dos pontos anteriores se aplica ao seu caso ou ao adulto que conhece procure um Terapeuta da Fala.

 

Profissionais/Professores/Educadores

Crianças

Quando deve ter especial atenção ou suspeitar da existência de problemas na aquisição ou desenvolvimento das competências comunicativas, de leitura ou escrita dos seus alunos ou utentes?

 

Infância

- Não fala aos 16 meses;

- Não faz expressões de duas palavras aos 2 anos e/ou não constrói frases aos 3 anos;

- Apresenta um atraso na aquisição da linguagem ou começou a dizer as primeiras palavras e a construir frases mais tarde ou gradualmente;

- “Fala por falar” e não para estabelecer uma relação com o outro;

- Apresenta dificuldades em articular determinados sons;

- Evidencia uma articulação imatura;

- Manifesta um desenvolvimento fonológico muito lento, com a persistência de simplificações próprias do desenvolvimento para além do tempo normal e das características da fala infantil;

- Tem dificuldades em memorizar e/ou acompanhar canções ou histórias infantis e/ou a rima das lengalengas;

- Apresenta uma linguagem ininteligível associada a gestos naturais para os pais aos 2 anos e para estranhos aos 3 anos;

- Não consegue contar uma história aos 3 anos;

- Mostra dificuldades em perceber que as palavras podem dividir-se partes mais pequenas;

- Só utiliza a 3.ª pessoa, o presente do indicativo e as formas impessoais (infinitivos e particípios) até aos 5 anos.

 

Idade Escolar

- Manifesta alterações na articulação das palavras aos 6 anos;

- Revela morosidade em aprender os mecanismos de leitura e escrita;

- Tem um vocabulário pobre e restrito, com palavras muito genéricas;

- Apresenta erros por dificuldades de descodificação grafema-fonema;

- Tem dificuldade em compreender que as palavras se podem segmentar em sílabas e em fonemas;

- Mostra dificuldade na leitura, apresentando erros constantemente ou inventando palavras (“ler de cor”);

- Tem dificuldade de ler pseudopalavras;

- Velocidade de leitura inadequada para a idade;

- Salta linhas durante a leitura ou na leitura silenciosa é audível o que está a ler, acompanhando a linha de leitura com o dedo;

- Recorre a estratégias ou truques para não ler ou não revela qualquer prazer pela leitura;

- Revela dificuldade na percepção das rimas;

- Apresenta muitos erros ortográficos e/ou a caligrafia esta bastante deturpada;

- Demora muito ao realizar os trabalhos de casa;

- Distrai-se com muita facilidade face a qualquer estímulo, parecendo que está a “sonhar acordado”;

- Os resultados escolares não estão de acordo com a sua capacidade intelectual;

- Melhores resultados nas avaliações orais do que nas escritas;

- Não gosta de ir à escola ou de qualquer outra actividade com ela relacionada;

- Confunde a direita e a esquerda ou apresenta alteração na orientação espacial;

- Evidencia “picos de aprendizagem” – uns dias parece assimilar e compreender os conteúdos curriculares e noutros parece ter esquecido o que tinha aprendido previamente;

- Apesar de apresentar dificuldades na escola revela ser bastante fantasioso e criativo, com um bom raciocínio lógico e abstracto e evidenciando competências acima da média em determinadas áreas (ex. informática, desenho, pintura, música, teatro, línguas, desportos, entre outras).